Pular para o conteúdo

satisfacao-no-trabalho-size-598

O Valor do Trabalho

Visto por muitos como uma forma de sacrifício ou castigo e, portanto, como algo totalmente indesejável, o trabalho pode (e deve) ser analisado sob uma ótica mais positiva, se pretendemos ser felizes.

Não são poucos os que acalentam o sonho da aposentadoria, ou das próximas férias, ou feriado prolongado, ou, ainda na falta de coisa melhor, do próximo final de semana, que os libertará da terrível carga do trabalho. E há ainda aqueles que sonham (ou fantasiam) ganhar na loteria, o que tornaria tudo maravilhoso.

E quando chega a segunda-feira, ou o retorno das férias, ou ainda o resultado da loteria, para muita gente, é triste ter que retornar ao seu posto de trabalho. E para estes, é muito triste saber que, ao longo da vida, estarão a maior parte do tempo trabalhando.

Mesmo quando chega a tão sonhada aposentadoria (que para muitos têm sido um pesadelo), muitos têm que continuar trabalhando por mais um (bom) tempo, pois geralmente o valor recebido não é suficiente para a manutenção do padrão de vida que conquistaram.

O que podemos concluir com isso é que ou somos felizes trabalhando, e para isso é preciso conhecer e apreciar o valor do trabalho, ou seremos apenas parcialmente felizes (e também, parcialmente infelizes).

Mas, o que podemos ter de valor no trabalho, além do salário?

Considerando apenas os pontos de vista explicitados acima, bem pouco. Mas, felizmente, há outros que podemos considerar.

Não foram poucos os homens, grandes homens, que disseram que a conquista não é coisa que dependa das circunstâncias, mas, justamente, da superação delas; na capacidade humana de, por meio das dificuldades oferecidas pelas circunstâncias, pelos problemas do dia-dia, superar suas limitações e conquistar novas possibilidades. Desvendar forças escondidas, habilidades não exercitadas, poderes latentes...

Não precisaríamos ir longe para exemplificar a validade desta ideia.Para fazer um bom trabalho temos de exercitar vários tipos de habilidades.

Imaginemos que temos de cavar um buraco no solo (para plantar uma árvore, por exemplo) e, fazendo isso, vejamos o que podemos aprender.

É fácil pensar em um buraco, mas nem tanto em cavá-lo, pois a terra costuma ser pesada e também dura, e para vencer isto temos que:

- Ser flexíveis e fortes, pois, se formos rígidos,  machucamo-nos e, se fracos, não conseguiremos cavar, e estas são habilidades do corpo;

- É necessário também ter ritmo, pois sem ritmo nos cansamos rapidamente e/ou não conseguiremos realizar a tarefa, e vemos aí uma habilidade no uso de nossa energia;

- Também precisamos desenvolver a paciência, pois tudo tem seu tempo, e há que respeitar isso, e também responsabilidade, para chegar até o final do que nos propomos a fazer (nos comprometemos a plantar a árvore, e se não o fizermos, ela poderá morrer), e aí lidamos com nossos sentimentos;

- E, finalmente, precisamos de um plano, pois, sem isso, um simples buraco será uma tarefa difícil de ser realizada (podemos cavar no lugar errado ou na profundidade incorreta para a planta que temos), e o trabalho será mal feito, e vemos aí um exercício mental.

Imaginemos cada tipo de trabalho que realizamos na vida, de uma simples tarefa de lavar a louça ou limpar o chão, aos mais difíceis e complexos, como construir um prédio ou gerenciar uma empresa, com todas as etapas e dificuldades que implicam. O quanto podemos aprender com cada um desses trabalhos?

Então, o trabalho não é verdadeiramente trabalho, como hoje o concebemos, é na realidade uma escola de vida. Um poderoso elemento de formação. Com ele podemos aprender simplesmente de tudo, desde o domínio de nós mesmos até o das coisas ao nosso redor. O trabalho torna-se uma verdadeira ferramenta de poder.

Então, não está errado o famoso dito popular, repetido por muitos, mas nem sempre compreendido, de que “o trabalho dignifica o homem”. É uma mostra da sabedoria popular, a cujas frases deveríamos prestar mais atenção, e refletir mais sobre seu significado.

Ao estimado leitor que dedicou um tempo a ler estas linhas, considere, em sua próxima jornada de trabalho, olhar para seus compromissos com um novo olhar. O olhar de quem realmente se interessa pelo que faz, porque conhece o seu valor.

E no próximo final de semana (se já não tiver compromisso), considere seriamente, ao invés de se entregar ao ócio preguiçoso, fazer uma boa faxina em sua despensa, guarda-roupa ou onde considere necessário. Estou seguro de que, além de encontrar vários objetos que, com certeza, não farão falta se forem doados, sentirá que a faxina surtiu outro efeito, por dentro, em seus pensamentos e sentimentos.

É bem provável que, na segunda pela manhã, perceba que a segunda-feira não tem de ser assim tão enfadonha e até poderá lhe parecer um dia feliz.

 

Jean Cesar Antunes Lima

Professor de filosofia em Nova Acrópole

 

Fique por dentro das últimas notícias de Nova Acrópole no Brasil e no mundo: www.acropolenews.org.br

O Trabalho

Depois um operário lhe disse: Fala-nos do Trabalho.
E ele respondeu, dizendo:
Vós trabalhais para poder manter a paz com a terra e a alma da terra.
Pois ser ocioso é tornar-se estranho às estações e ficar afastado da procissão da vida que marcha majestosamente e com orgulhosa submissão em direção ao infinito.
Quando trabalhais sois uma flauta através da qual o sussurro das horas se transforma em música.
Qual de vós quereria ser uma cana muda e silenciosa, quando tudo o resto canta em uníssono?
Sempre vos disseram que o trabalho é uma maldição e o labor um infortúnio.
Mas eu digo-vos que quando trabalhais estais a preencher um dos sonhos mais importantes da terra, que vos foi destinado quando esse sonho nasceu, e quando vos ligais ao trabalho estais verdadeiramente a amar a vida, e amar a vida através do trabalho é ter intimidade com o segredo mais secreto da vida.
Mas se na dor chamais ao nascimento uma provação e à manutenção da carne uma maldição gravada na vossa fronte, então vos digo que nada, exceto o suor na vossa fronte, apagará aquilo que está escrito.
Também vos foi dito que a vida é escuridão, e no vosso cansaço fazeis-vos eco de tudo o que os cansados vos disseram.

E eu digo que a vida, realmente, é escuridão, a não ser que haja necessidade.

E toda a necessidade é cega, a não ser que haja conhecimento.

E todo o conhecimento é vão, a não ser que haja trabalho.

E todo trabalho é vazio, a não ser que haja amor.

E quando trabalhais com amor estais a ligar-vos a vós mesmos, e uns aos outros, e a Deus.
E o que é trabalhar com amor?
É tecer o pano com fios arrancados do vosso coração, como se os vossos bem amados fossem usar esse pano.
É construir uma casa com afeto, como se os vossos bem amados fossem viver nessa casa.
É semear sementes com ternura e fazer a colheita com alegria, como se os vossos bem amados fossem comer a fruta.
É dar a todas as coisas um sopro do vosso espírito, e saber que todos os abençoados mortos estão à vossa volta a observar-vos.
Muitas vezes vos ouvi dizer, como se estivésseis a falar durante o sono, "Aquele que trabalha o mármore e encontra na pedra a forma da sua própria alma é mais nobre do que aquele que trabalha a terra.
E aquele que agarra o arco-íris para o colocar numa tela à semelhança do homem, é mais do que aquele que faz as sandálias para os nossos pés."
Mas eu digo, não em sonhos, mas na consciência da luz do meio dia, que o vento não fala mais docemente aos carvalhos gigantes do que à menor das folhas de grama; E só é grande aquele que transforma a voz do vento em uma canção, tornada ainda mais doce por seu próprio amor. 

O trabalho é o amor tornado visível.
E se não sabeis trabalhar com amor mas com desagrado, é melhor deixardes o trabalho e sentar-vos à porta do templo a pedir esmola àqueles que trabalham com alegria.
Pois se assardes pão com indiferença, assareis um pão amargo, que só matará a metade da fome de um homem.

E se vos ressentirdes ao amassar as uvas, vosso ressentimento destilará veneno no vinho.

E se cantardes como anjo, e não amardes o vosso cantar, abafareis os ouvidos do homem às vozes do dia e às vozes da noite.

 

KONICA MINOLTA DIGITAL CAMERA

Gosta de poesias? Faça uma visita e entre em um mundo encantador, belo e poético.

Conheça e divulgue: http://luciahga.blogspot.com.br/