Pular para o conteúdo

O Retorno de Perséfone

Começa hoje e vai até o dia 21 de dezembro de 2018 a estação das flores ou também chamada de primavera.

E a arte de hoje apresenta-nos o mito grego de Perséfone, filha de Zeus e Deméter, a deusa da Natureza, e celebra o equinócio de Primavera.

Quando sinais da grande beleza e doçura de Perséfone começam a brilhar no início de sua juventude, chamam a atenção de Hades, o deus das profundezas terrenas que, encantado com a donzela mais bela já vista, a deseja para si.

Hades pede então ao seu irmão Zeus que a conceda em casamento. Zeus, sem consultar Deméter, aceita o pedido do irmão. Mas Deméter, ao saber, intervém nessa decisão e não aceita ficar longe de sua querida filha. Hades, impaciente e sedento pela bela Perséfone, emerge da terra e a rapta enquanto ela colhia flores nos campos, levando-a para seus domínios no mundo subterrâneo e fazendo dela sua rainha.

Inconsolável, Deméter sai desesperada pelo mundo afora, sem comer e sem descansar em busca de sua filha, decidida a não voltar para o Olimpo enquanto não conseguisse. Durante o tempo em que Deméter fica fora do Olimpo, sem ânimo e sem forças para cuidar da natureza, as terras tornam-se estéreis, há escassez de comida, o gado morre e os grãos não germinam. O povo sofre de fome e doenças.

Deméter intercede junto a Zeus. Este, vendo o desespero de Deméter e a situação caótica em que estava a terra estéril, ordena a Hades que devolva Perséfone. Hades concorda, porém Perséfone tinha comido uma semente de romã, uma pequena prova de que ela não tinha rejeitado inteiramente Hades, e assim estabeleceu-se um acordo: ela passaria metade do ano com Hades, quando se tornaria a rainha do mundo subterrâneo, e o restante do ano junto a Deméter, quando seria a bela e jovem Perséfone, enchendo sua mãe de alegria e a terra de abundância e beleza.

Este mito celebra o equinócio de Primavera, onde a alma humana (Perséfone) se une à Natureza (Deméter) e tudo floresce e se embeleza.

A pintura retrata Hermes ajudando Perséfone a voltar para a sua mãe Deméter depois de Zeus ter ordenado Hades a devolvê-la.

Obra: O Retorno de Perséfone (1891)
Autor: Frederic Leighton (1830-1896)
Tipo: Óleo sobre tela
Localização atual: Leeds Art Gallery, Inglaterra

Nova Acrópole é uma organização internacional filosófica que se sustenta em três princípios institucionais:

Fraternidade

Promover um Ideal de fraternidade internacional sem distinções de sexo, credo, cultura, religião, sociais, etc.

Assim busca promover o respeito pelas diversas identidades e tradições, e, ao mesmo tempo, fortalecer a união para além das diferenças; harmonizar pessoas, ideias e sentimentos numa convivência enriquecedora e aberta.

Conhecimento

Fomentar o amor à sabedoria por meio do estudo comparado de filosofias, religiões, ciências e artes, para promover o conhecimento do ser humano, das leis da Natureza e do Universo.

Entendemos a filosofia como o eixo que relaciona as diferentes facetas e vertentes do conhecimento humano.

Desenvolvimento

Desenvolver o potencial humano, promovendo a realização do ser humano como indivíduo e sua integração na sociedade e na natureza, como elemento ativo e consciente para melhorar o mundo.

O ser humano guarda ainda um enorme potencial latente. Conhecê-lo e desenvolvê-lo torna-se um dos pilares fundamentais da própria vida e uma fonte de satisfação permanente. O alcance da harmonia entre pensamento, sentimento e ação é uma meta para todo o ser humano. Um desenvolvimento equilibrado e global do mesmo, a concretização das melhores qualidades e valores da nossa natureza humana, são, provavelmente, a única garantia para obtermos um mundo melhor.

 

Saiba mais em: http://www.nova-acropole.org.br/principios/