Pular para o conteúdo

O Dia Mundial da Filosofia foi instituído pela UNESCO e é uma data celebrada nas terceiras quintas-feiras do mês de novembro.

A Organização Internacional Nova Acrópole celebra esse dia nos mais de 50 países em que atua por meio da promoção de debates, palestras, exposições, painéis e eventos diversos.

E começamos a esquentar a semana com diversas palestras culturais nas várias sedes da escola na grande Goiânia (Jardim América, Setor Universitário, Aparecida de Goiânia). Com temas diversificados que você pode acompanhar pela programação por aqui: https://novaacropolegoiania.com.br/programacao/

E para a palestra magna no sábado as 19h, trazemos o tema: "Filosofia e Humanismo: Por que devemos acreditar na humanidade?" com a Dra. Ana Cristina Machado de Brasília.

Não deixe de comparecer, o evento é gratuito e será realizado no teatro João Alves de Queiroz (https://teatrojqueiroz.com.br/).

Pré-inscrições: https://www.acropolebrasil.com.br/ulisses/inscricao.xhtml?eventoId=9728

O Retorno de Perséfone

Começa hoje e vai até o dia 21 de dezembro de 2018 a estação das flores ou também chamada de primavera.

E a arte de hoje apresenta-nos o mito grego de Perséfone, filha de Zeus e Deméter, a deusa da Natureza, e celebra o equinócio de Primavera.

Quando sinais da grande beleza e doçura de Perséfone começam a brilhar no início de sua juventude, chamam a atenção de Hades, o deus das profundezas terrenas que, encantado com a donzela mais bela já vista, a deseja para si.

Hades pede então ao seu irmão Zeus que a conceda em casamento. Zeus, sem consultar Deméter, aceita o pedido do irmão. Mas Deméter, ao saber, intervém nessa decisão e não aceita ficar longe de sua querida filha. Hades, impaciente e sedento pela bela Perséfone, emerge da terra e a rapta enquanto ela colhia flores nos campos, levando-a para seus domínios no mundo subterrâneo e fazendo dela sua rainha.

Inconsolável, Deméter sai desesperada pelo mundo afora, sem comer e sem descansar em busca de sua filha, decidida a não voltar para o Olimpo enquanto não conseguisse. Durante o tempo em que Deméter fica fora do Olimpo, sem ânimo e sem forças para cuidar da natureza, as terras tornam-se estéreis, há escassez de comida, o gado morre e os grãos não germinam. O povo sofre de fome e doenças.

Deméter intercede junto a Zeus. Este, vendo o desespero de Deméter e a situação caótica em que estava a terra estéril, ordena a Hades que devolva Perséfone. Hades concorda, porém Perséfone tinha comido uma semente de romã, uma pequena prova de que ela não tinha rejeitado inteiramente Hades, e assim estabeleceu-se um acordo: ela passaria metade do ano com Hades, quando se tornaria a rainha do mundo subterrâneo, e o restante do ano junto a Deméter, quando seria a bela e jovem Perséfone, enchendo sua mãe de alegria e a terra de abundância e beleza.

Este mito celebra o equinócio de Primavera, onde a alma humana (Perséfone) se une à Natureza (Deméter) e tudo floresce e se embeleza.

A pintura retrata Hermes ajudando Perséfone a voltar para a sua mãe Deméter depois de Zeus ter ordenado Hades a devolvê-la.

Obra: O Retorno de Perséfone (1891)
Autor: Frederic Leighton (1830-1896)
Tipo: Óleo sobre tela
Localização atual: Leeds Art Gallery, Inglaterra